A culpa é das mulheres

terça-feira, 22 de novembro de 2011
Aposto que você já ouviu história parecida.
Mais: Arrisco dizer que se não aconteceu com você, aconteceu com alguém que você conhece.

Tenho suportado por muito tempo a reclamação hipócrita da ala feminina, que enche a boca para dizer que : "Homem é tudo igual". " Nenhum homem presta". "Homem não ama". " Homem não se entrega".

Vivam com isso: A CULPA É DE VOCÊS!

E vocês tem o dom de estragar os homem cedo. Bem cedinho.

A primeira paixão é marcante para todos. Admito. Mas para as mulheres ela não é transformadora, e, dentro de alguns anos, ela só será lembrada como mais uma, que foi legal porque foi a primeira.

Com o homem não. 

O cara, que muitas vezes ainda é um adolescente, entrega-se de corpo e alma.
Só pensa na menina, em como surpreende-la, em como faze-la sorrir.
Olha o Climatempo todo dia para saber quando vai chover, convida ela para sair no dia que marca 22mm e torce que chova logo, para poder beijá-la na chuva.

 Muda, e a vezes até se afasta dos amigos.

E o que mais estarrece e apóia esse fato: Durante a primeira paixão, o homem é um fiel inexorável. A Jéssica Alba da cidade pode ligar para ele todo dia que ele não vai atender. Ele tem certeza de que todas as qualidades do mundo estão concentradas naqueles 1,70m de pele rosada que sorri para ele quando ele deixa o mindinho na quina da porta. Ele não precisa de mais ninguém. A sua vida é perfeita

Sente que pela primeira vez na vida é completamente feliz. Pobre homem.

Uma hora ele acorda e aprende que não existe felicidade plena, o que existe é uma sequência de momentos felizes, que podem cessar. 

E acontece agora: 
- A gente precisa conversar.
-É que..é que.. Ai, não sei como dizer isso. Vou ser direta.
- A gente precisa de um tempo. Você tem me sufocado demais e eu acho que não é isso que eu quero para mim.

Se fosse um programa de televisão japonês, nessa hora surgiria uma placa na tela dizendo: PARABÉNS, VOCÊ ACABA DE DESTRUIR MAIS UM HOMEM.

Porque é isso que acontece. Depois que ela dizer isso, acabou.
Nada que o homem faça ou diga irá mudar. Ela está irredutível.
Conheço casos piores. As vezes elas dizem: - Estou gostando de alguém mais velho.

Vocês entendem a ironia?
O cara mais velho é aquele que já superou isso. Que se fechou novamente, e que muito provavelmente nunca mais agirá como agiu na sua primeira paixão.

O cara mais velho é a evolução do muleque que acaba de tomar o primeiro pé na bunda.
Ele não confia mais em ninguém. Ele não se acha confortável para dizer o que sente. Ele, as vezes, até ignora a mulher para não correr o risco de esmorecer mais uma vez.
E isso encanta elas.

Todos os caras que são assim fazem sucesso.

" Homem não tem coração"...que piada.

Quem não tem coração são vocês.




Ciranda, cirandinha

sexta-feira, 18 de novembro de 2011
Vou-lhes ensinar algo sobre a vida. Da forma mais cretina.

Imagine toda a humanidade perfilada.
Intercale homens e mulheres em uma fila lateral astronômica com o olhar para o horizonte.
A fila é tão gigante, que com apenas o torcer de pouquíssimos graus de ângulo aberto entre um ser e outro, fará-se um circulo.

Pés retos, joelhos firmes, suor escorrendo da testa, mãos tremulas e todos os músculos retraídos.

Pode até parecer um treinamento militar, mas não é. 

Isso é sobre amor.

Um observador constataria que temos um homem em meio a duas mulheres. Ou, se preferir, uma mulher em meio a dois homens, mas isso não altera em nada o que quero dizer.

Você, ao olhar para o horizonte ainda consegue a contemplação de sua visão periférica, e enxerga, verdade que com dificuldade, quem está a rodear-te.

Têm medo do que está acontecendo. Teme mais ainda o que pode acontecer.
Todos são iguais.

Haverá um momento em que toda a angustia, medo, e curiosidade levará a multidão a olhar para o lado, buscando apoio, compreensão e conforto.
Alguém que possa trazer alguma resposta sobre o porque daquela brincadeira sem graça, sem saberem que a brincadeira é séria.

E assim vem uma voz que rasga o céu claro e quente, dizendo: - Quando eu disser "Já", todos escolham um lado, e apenas um!

- Um, dois, três. Já! 

Então, como que em uma coreografia, a maioria olha para a direita.
Todo os sentidos em prontidão, que esperavam encontrar um olhar reconfortante dão de cara com as costas do seu escolhido.

Nenhum  olhar se encontra. Nenhum reconforto surge.
Nada é explicado.

Seus olhos não vêem nada do que queriam ver.
Mas não esqueça que você também deu as costas para alguém, apesar de isso não parecer importar agora.

Os que encontraram olhares saem da ciranda, e o ciclo é refeito.

Dá-se um tempo para que os que sobraram formem novamente outro circulo astronômico, e, tudo recomeça.

- Um, dois, três. Já!

Vence a brincadeira quem aprender com o menor numero de tentativas.









Quando eu soube que era amor

terça-feira, 8 de novembro de 2011


Me senti tão estranho.

Via de longe a menina sorrir espontaneamente ao olhar para outro cara, que fazia alguma palhaçada.
O seu olhar era terno, admirador. O brilho, que eu já havia visto de perto, observado de longe era muito mais ofuscante. Era quase que um grito luminoso de : EU ESTOU GOSTANDO DE VOCÊ!
Ela olhava e ria. Só olhava e ria.

E o sorriso era contagiante. 
Ela mostrava sua dentição perfeita e expunha as suas covinhas, que diversas vezes me reconfortou.

Difícil era explicar aquele efeito: Sempre que eu chegava chateado, fosse por qualquer motivo, ela sorria e dizia: - Ah. Mas como tu és bobo em importar-se com coisas insignificantes.

E o que me acalmava, mais do que as palavras, eram as covas. Ambas significavam a personificação de algo corriqueiro para muitos, mas não para mim: A felicidade de quem me importava.

A ver sorrir me fazia sorrir, e eu acho que essa era a melhor forma de explicar à quem me perguntava o que era o amor, na forma mais nobre e simples.

Por poucos segundos, nada era mais relevante.

Mas acabou.

No inicio foi difícil, mas eu sabia que com o passar do tempo o ciúmes, o rancor, o desapontamento, e todas as coisas inexplicáveis que atrapalham um relacionamento seriam, pouco a pouco, suplantados, até que não restasse nada.

E hoje, passado cinco anos, eu via o casal que nascia e pensava quanto tempo eles demorariam para ter certeza de que é amor.

Enchi meu chimarrão e segui.

Risonho.
Confuso.

Estranhamente Feliz.





Mulheres. Eu, hein!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011
- Fernando!
- Ô, seu cheio.

Tive que virar. Óbvio. Ela me disse que foram essas as duas frases. Eu só ouvi a ultima.
Não soube bem o que dizer quando a vi. Havia esbarrado com ela antes e ela nem na cara me olhou. Imaginei que não me conhecesse, e, na hora temi que ela não tivesse nem vontade disso.

Meu espanto era plausível. Óbvio.

- Fernaaaaaaaaaaaando! Gritou, segundos antes de me dar um abraço apertado.
- Como está, guri? 

Atônito. Como mais eu estaria? Aquela mulher de revista que eu imaginei nem me conhecer veio falar comigo.
Mas não disse isso para ela. Claro.

- Tô bem. E tu, guria?

Meu erro.
Notei na hora que era carência. Mas ela me dirigia um olhar fraterno.
Mas ao mesmo tempo, o volume do som fazia ela se aproximar mais e mais. Por diversas vezes pude sentir o calor do seu ar tocando a minha boca.
Foi o mais perto de um beijo dela que eu já estive. E arrisco dizer que já estarei.

Digo isso porque, desde então, tudo voltou ao normal.
Passa, não me olha.
Sorrio. Nem me vê.

Mas o problema nem é esse. Até aí, tudo normal.

O que eu não consigo entender é porque que ela veio falar comigo, bêbada?

Até pensei que ela tinha vontade de me conhecer melhor. Mas ela seguiu me ignorando.

Talvez tenha decepcionado ela de alguma forma. Mas não lembro onde, se nos falamos por, no máximo, 3 minutos.

Muito estranho.
Talvez teria sido melhor nem conhecê-la. Na nossa imaginação, vocês, mulheres, são tão perfeitas. Lá eu não tinha nenhuma duvida sobre ela.

Já aqui...







Tudo o que ficou no ar

Preciso de um f5 aqui, mas ando tão criativo quando os produtores do Globo Repórter.
Então vou por umas frases que eu fiz pra uma guria que eu não conheço, mas sonhei.
É estranho, mas é verdade.

TUDO O QUE FICOU NO AR.


Acreditei em tanta coisa, que não duvidei dessa história de sonhar com você, sem nem saber o seu nome.
Mas não quer dizer que só porque eu acordei antes do final feliz, eu não vou te achar.

Eu dormiria de novo se soubesse que ia estar lá. Perguntaria o seu nome, e tudo o que ficou no ar.

Já tentei tantas coisas. Mas dizer pra alguém que não conhece você, que já a viu e a tocou, e sentiu o seu gosto mesmo sem beijá-la?
Eu sei o que vai pensar: -Que mentira desse rapaz. Ora, vai sonhar com quem nunca viu.

linkwit

Related Posts with Thumbnails
 
Madruguei Desatinado © 2011 | Designed by Felipe Bizzi, com a colaboração de Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets